Michael Jackson: "Minha Infância, Meu Sabbath, Minha Liberdade"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Michael Jackson: "Minha Infância, Meu Sabbath, Minha Liberdade"

Mensagem por Raquel M.K.Jackson em Sex Jun 10, 2011 8:54 pm

Por Michael Jackson

Esta história foi publicada pela primeira vez no Beliefnet em dezembro de 2000.

Infância

"Você viu minha infância?
Estou procurando por essa maravilha em minha juventude
Como piratas e sonhos de aventura,
De conquistas e reis no trono ... "

(Escrito e composto por Michael Jackson)

"Em uma de nossas conversas, meu amigo, o rabino Shmuley, me disse que ele pediu a alguns de seus colegas - escritores, pensadores e artistas - para escrever as suas reflexões sobre o Sabbath. Ele então sugeriu que eu escrevesse os meus próprios pensamentos sobre o assunto, um projeto que achei interessante e oportuno devido à recente morte de Rose Fine, uma mulher judia que foi minha querida tutora na infância, e que viajou comigo e meus irmãos quando estávamos todos no Jackson Five.

Na noite de sexta-feira passada, eu me juntei ao rabino Shmuley, sua família e seus convidados para o jantar de Sabbath em sua casa. O que eu achei especialmente comovente foi quando Shmuley e sua esposa colocaram as mãos sobre as cabeças de seus filhos, e os abençoaram a crescer para ser como Abraão e Sara, que eu entendo ser uma antiga tradição judaica. Isso me levou a falar sobre minha própria infância, e o que significou o Sabbath para o meu crescimento.

Quando as pessoas vêem as aparições que eu fiz na TV quando eu era um garotinho - 8 ou 9 anos de idade e apenas começando minha carreira musical ao longo da vida - eles vêem um pequeno garoto com um grande sorriso. Eles supõem que este garotinho está sorrindo porque ele é alegre, que ele está cantando com todo o seu coração porque ele está feliz, e que ele está dançando com uma energia que nunca o abandona porque ele é despreocupado.

Mas enquanto cantar e dançar eram, e sem dúvida permanecem, algumas das minhas maiores alegrias, na época, o que eu queria mais do que qualquer outra coisa eram as duas coisas que fazem da infância os anos mais maravilhosos da vida, ou seja, brincadeiras e uma sensação de liberdade. O público em geral ainda tem muito a compreender sobre as pressões da fama na infância, que, ao mesmo tempo que é emocionante, sempre cobra um preço muito alto.

Mais do que tudo, eu queria ser um menino normal. Eu queria construir casas nas árvores e ir a rinques de patinação. Mas desde muito cedo, isso se tornou impossível. Eu tive que aceitar que minha infância seria diferente da maioria dos outros. Mas isso é o que sempre me fez pensar como uma infância normal seria.
Houve um dia por semana, porém, em que eu era capaz de escapar da cena de
Hollywood e das multidões das salas de shows. Aquele dia era o Sabbath. Em todas as religiões, o Sabbath é um dia em que se permite e se exige aos fiéis se afastar da vida diária e concentrar-se no excepcional. Aprendi algo sobre o Sabbath Judaico, especialmente no início com Rose, e meu amigo Shmuley foi mais além e esclareceu-me como, no Sabbath Judaico, as tarefas da vida cotidiana de cozinhar o jantar, fazer compras, e cortar a grama são proibidas para que a humanidade possa transformar o comum em extraordinário, e o natural, em milagroso. Mesmo coisas como fazer compras ou acender as luzes são proibidos. Neste dia, o Sabbath, todo mundo deixa de ser comum.

Mas o que eu mais queria era ser normal. Então, no meu mundo, o Sabbath era o dia em que eu era capaz de me afastar da minha vida especial e vislumbrar a vida cotidiana.

Os domingos eram meus dias de "pioneirismo", o termo usado para o trabalho missionário que as Testemunhas de Jeová fazem. Passávamos o dia nos subúrbios do Sul da Califórnia, indo de porta em porta ou rodando dentro de um shopping center, distribuindo nossa revista Sentinela. Continuei meu trabalho de pioneirismo por anos e anos depois da minha carreira ter sido lançada.

Até 1991, época da minha turnê Dangerous, eu gostava de vestir meu disfarce de gordo com terno, peruca, barba e óculos e sair para viver o cotidiano na terra da América, todos os dias, visitando praças e shoppings e casas nos subúrbios. Eu adorava entrar em todas as casas e ver os tapetes e poltronas La-Z-Boy com as crianças jogando Monopólio e avós pajeando elas e todas aquelas maravilhosamente simples e, para mim, mágicas cenas da vida. Muitos, eu sei, diriam que isso não parece grande coisa. Mas, para mim elas eram positivamente fascinantes.

O engraçado é que nenhum adulto jamais suspeitou quem era aquele estranho homem barbudo. Mas as crianças, com sua intuição especial, souberam imediatamente. Como o Flautista de Hamelin, eu acabaria sendo seguido por oito ou nove crianças, na minha segunda rodada pelo shopping. Eles iriam me acompanhar e sussurrar e rir, mas eles não iriam revelar o meu segredo aos seus pais. Eles eram os meus pequenos ajudantes. Ei, talvez você tenha comprado uma revista de mim. Você está se perguntando agora, certo?

Os domingos eram sagrados por duas outras razões quando eu estava crescendo. Eles eram o dia em que eu freqüentava a igreja e o dia em que eu passei a ensaiar o meu melhor. Isto pode parecer contrário à ideia de "descansar no Sabbath", mas era a maneira mais sagrada que eu poderia gastar o meu tempo: desenvolver os talentos que Deus me deu. A melhor maneira que eu posso imaginar para mostrar o meu agradecimento é fazer muito mais do dom que Deus me deu.

A Igreja era um deleite em si mesma. Era novamente uma chance para mim de ser "normal". Os anciões da igreja me tratavam do mesmo modo que eles tratavam todos os outros. E eles nunca ficavam chateados nos dias em que a parte de trás da igreja se enchia de repórteres que haviam descoberto o meu paradeiro. Eles tentavam recebê-los lá dentro. Afinal, mesmo os repórteres são filhos de Deus.

Quando eu era jovem, toda minha família freqüentava a igreja junto, em Indiana. Quando nós crescemos e ficamos mais velhos, isto
tornou-se difícil, e minha notável e verdadeiramente santa mãe, às vezes, acabava indo lá sozinha. Quando as circunstâncias tornaram cada vez mais complexo, para mim, frequentá-la, eu fui confortado pela crença de que Deus existe em meu coração, e na música e na beleza, não apenas em uma construção. Mas eu ainda sinto falta do senso de comunidade que eu senti lá - Eu sinto falta dos amigos e das pessoas que me tratavam como se eu fosse apenas um deles. Simplesmente humano. Compartilhando de um dia com Deus.

Quando me tornei pai, todo meu sentido de Deus e do Sabbath foi redefinido. Quando eu olho nos olhos do meu filho, Prince, e de minha filha, Paris, eu vejo milagres e eu vejo beleza. Cada dia se torna o Sabbath. Ter filhos me permite entrar neste mundo mágico e sagrado a cada momento de cada dia. Eu vejo Deus através dos meus filhos. Eu falo com Deus através de meus filhos. Eu sou humilde para as bênçãos que Ele tem me dado.

Houve momentos em minha vida quando eu, como todo mundo, tive que questionar a existência de Deus. Quando Prince sorri, quando Paris dá risadas, eu não tenho dúvidas. As crianças são o presente de Deus para nós. Não - eles são mais do que isso - são a própria forma de energia e criatividade de Deus e do amor. Ele pode ser encontrado em sua inocência, experimentado em suas brincadeiras.

Meus mais preciosos dias como criança foram os domingos, quando eu era capaz de ser livre. Isso é o que o Sabbath sempre foi para mim. Um dia de liberdade. Agora eu encontro essa liberdade e magia todos os dias no meu papel como pai. A coisa maravilhosa é que todos nós temos a capacidade de fazer de cada dia o dia precioso que é o Sabbath. E fazemos isso por nós mesmos nos dedicando novamente às maravilhas da infância. Fazemos isso entregando todo o nosso coração e mente para as pessoinhas que chamamos de filho e filha. O tempo que passamos com elas é o Sabbath.
O lugar que nós ocupamos se chama Paraíso."

OBS: O Sabbath é o "dia do descanso", respeitado em quase todas as religiões. É referente ao dia em que Deus descansou após a criação do mundo. Para os judeus, é o sábado, e para os cristãos, o domingo.

_________________
avatar
Raquel M.K.Jackson
Administração
Administração

Mensagens : 188
Data de inscrição : 03/06/2011
Idade : 23
Localização : são paulo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael Jackson: "Minha Infância, Meu Sabbath, Minha Liberdade"

Mensagem por fabi-mj em Ter Jun 14, 2011 3:35 pm

Nossa! mais uma entrevista que me enche de orgulho por ser fã deste cara.

P.S: Raquel,Obrigado!! por posta las.

fabi-mj
Membro
Membro

Mensagens : 6
Data de inscrição : 14/06/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum